Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 19 - julho de 2020

GIRO RÁPIDO

ABNT tem novo presidente

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) promoveu no dia 9 de março, na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a solenidade de posse do presidente e vice-presidente do Conselho Deliberativo, Mario William Esper e Amilton Mainard. Os dois executivos ficarão à frente da instituição até 2022.
A Abcic esteve representada na solenidade pela presidente executiva Íria Doniak e pelo conselheiro Carlos Gennari que, em nome da entidade e dos anos de relacionamentos com o novo presidente da ABNT, através da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e Fiesp, levaram o apoio e a mensagem de êxito por essa nova conquista.
Nos próximos três anos, a proposta do novo presidente é que a ABNT esteja sintonizada com os atuais cenários brasileiro e internacional, respondendo, dessa maneira, às demandas do Governo e da sociedade, de forma rápida e inovadora na elaboração de normas, incluindo aquelas por mandato e resultantes de parcerias. Além disso, Esper também espera garantir o protagonismo da ABNT na elaboração de normas internacionais. 
Também está na pauta, a elaboração de normas que atendam aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estabelecidos em 2015 pela Assembleia da pela Organização das Nações Unidas (ONU). A questão tem merecido atenção especial na ISO e na International Electrotechnical Commission (IEC). “É uma preocupação mundial, temos 17 objetivos e precisamos saber quais são as que mais impactam o País e desenvolver as normas, porque a ABNT, neste mandato, pretende ser protagonista dos grandes temas de interesse do Brasil e ter estratégias para a sociedade”, disse Esper em entrevista para o Boletim ABNT.
No caso do setor da construção, o presidente da ABNT afirma que ele é muito importante para a normalização por possuir uma cadeia produtiva longa que envolve desde a mineração até a venda final do imóvel. “Essa cadeia é composta de elos heterogêneos, e é fundamental  que a normalização faça parte de todo o processo, para que exista uma harmonização entre eles, contribuindo assim com a industrialização, a homogeneidade e melhoria da competitividade do setor”, ressalta.

Amilton Mainard, vice-presidente da ABNT, Mario William Esper, presidente da ABNT e Paulo Skaf, presidente da Fiesp

O novo presidente da ABNT afirma ainda que as normas do setor da construção interagem com diversos comitês. Hoje, das 8.288 normas que a ABNT possui, cerca de 10% corresponde ao setor de construção civil e infraestrutura. “Com a publicação do decreto 10.229/2020, torna as atualizações das normas ABNT de vital importância, visto que o referido decreto regulamenta o direito de desenvolver, executar, operar ou comercializar  produtos ou serviço em desacordo com a norma técnica desatualizada, de que trata o inciso VI do caput que trata o art. 3 da Lei 13.874 (Lei da Liberdade Econômica)”, complementou.
Nesse sentido, a Abcic e a pré-fabricação de concreto têm contribuído para a normalização do país. Além de ter impulsionado o desenvolvimento de quatro normas específicas, no âmbito do CB-02 (Comitê Brasileiro de Construção Civil) e do CB-18 (Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados), a entidade também participa de muitas outras comissões relacionadas.
Esper é mestre em Engenharia de Materiais pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, nas mais de quatro décadas dedicadas à qualidade e normalização, desempenhou diferentes e relevantes funções na própria ABNT, sempre com foco em resultados de interesse e benefício coletivo, aspectos exigidos para funções de liderança, como a presidência de entidades da importância da ABNT, onde já respondia mais recentemente pela vice-presidência da entidade. Em 2008, ele já havia sido homenageado pelo Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) do Ministério das Cidades por sua atuação em 10 anos de trabalho e, em especial, por presidir por 2 anos, o Comitê Nacional de Desenvolvimento Tecnológico da Habitação (CTECH).