Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 18 - dezembro de 2019

PONTO DE VISTA

Abrainc: o mercado imobiliário já está em recuperação e tem boas perspectivas para o próximo ano

Desde 2013, a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) vem trabalhando ativamente para fortalecer o mercado imobiliário nacional. A associação, inclusive, lidera iniciativas com a participação de diversas entidades setoriais para fomentar o desenvolvimento sustentável do país. Uma delas é o Reformar para Mudar, que congrega 28 instituições e traz o debate de relevantes temas para o futuro do Brasil, das reformas estruturais à agenda microeconômica, necessária para dar fôlego às atividades produtivas e iniciar o combate ao desemprego.
Outra ação é a Campanha do Mesmo Lado, que conta com a participação da Abcic, cujo objetivo é unir a cadeia da construção e contribuir para a evolução do setor. A rede de relacionamento é formada por mais de 40 entidades, que discutem os assuntos de maior importância para o segmento, propondo soluções e levantando demandas do mercado. Nessa iniciativa, foi criado o Prêmio Produtividade, que visa reconhecer os esforços e ampliar a visibilidade de empresas que se destacam no aproveitamento de seu potencial, aumentando a produção e a competitividade. Outras ações importantes são o apoio às reformas do Governo, ao saneamento e à inovação tecnológica.
A Abrainc é presidida pelo engenheiro civil Luiz Antonio França, que também é sócio-presidente da França Participações. Sua carreira teve início na área de Large Corporate no Banco Francês e Brasileiro no Brasil. Ele participou também da montagem do Banco de Investimento desse banco e atuou em Nova York como Managing Director para a América Latina. França também atuou como "head" do Investment Bank do Banco Itaú e estruturou a área de Crédito Imobiliário do banco, focada no financiamento às incorporadoras e pessoas físicas. Foi ainda presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), diretor da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e presidente do Conselho de Administração da Companhia Brasileira de Securitização (Cibrasec).
França concedeu uma entrevista para a Industrializar em Concreto sobre o cenário atual do mercado imobiliário e as perspectivas para o setor, ressaltando a importância das reformas do Governo para uma nova etapa de crescimento econômico para o país. 
Na sequência, confira os principais pontos abordados por ele:

Existe uma percepção de que houve uma melhora na conjuntura econômica nacional. Poderia, dessa maneira, fazer um balanço sobre o setor da construção em 2019 ante os anos anteriores?
São Paulo vem liderando o processo de retomada econômica do país. Além disso, os preços dos imóveis não tiveram aumento nos últimos anos e estão em patamares interessantes de compra. Isso mostra a melhora no ânimo dos empresários e junto com o aumento de oferta do crédito imobiliário e queda nas taxas de juros, consequentemente deve resultar em crescimento nas vendas nos próximos meses.  

Em termos de investimentos, quais são as perspectivas para o setor?
A nossa expectativa é de crescimento e melhora no setor imobiliário. Os números mostram que os lançamentos já estão voltando ao patamar de antes, assim como as vendas. A Reforma Tributária pode favorecer ainda mais, desde que o setor da incorporação tenha tratamento tributário diferenciado, como é feito em Portugal, Espanha e Alemanha. Com as discussões dessa reforma ainda estão acontecendo, é preciso aguardar essas definições.

Que impactos terá a reforma da previdência no setor imobiliário? Quais as ações da Abrainc em relação ao tema?
A aprovação da Reforma da Previdência fez com que houvesse uma maior confiança do mercado na queda dos juros, o que pode ser visto com a queda nos juros futuros. Isso ajudou a reduzir o valor do Crédito Imobiliário, que é o grande impulsionador para o mercado habitacional.
A Abrainc realiza encontros mensais com diversas entidades através da iniciativa Reformar para Mudar. O movimento começou para debater a Reforma Trabalhista e continuou para defender a Reforma da Previdência.