Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 19 - julho de 2020

GIRO RÁPIDO

Antônio Carlos Lima Pedreira de Freitas, o grande professor Pardal

Homenagem

O ano de 2020 teve início com a despedida de um gênio da engenharia brasileira. O arquiteto Antônio Carlos Lima Pedreira de Freitas faleceu em janeiro, deixando um exemplo excepcional de dedicação, pioneirismo e muito trabalho para o desenvolvimento da construção nacional e do pré-fabricado.
A vontade de ser construtor fez Pedreira de Freitas cursar a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo que, à época, era muito mais voltada para a construção civil. Formado em 1958, sua trajetória inspiradora conta com larga experiência em construtoras (Construções, Comercial Construtora, PAC Planejamento e Construções, Siled, Fongaro Empreendimentos e Construções, Norcon Sociedades Nordestinas de Construções e BHM Empreendimentos) e na indústria da construção (Cisa Construções Industrializadas e Tangram Indústria e Comércio). 
Pioneiro e visionário, em 1975 foi para a Colômbia e para a Venezuela para pesquisar sistemas construtivos que pudessem ser implantados no Brasil, e retorna apaixonado pelo sistema de painel portante, que começa a desenvolver no país. Para esse projeto, contou com a contribuição do professor e engenheiro Augusto Carlos Vasconcelos na concepção e tropicalização do cálculo estrutural. 
Ele também introduziu novos sistemas construtivos para edifícios residenciais, com destaques para o sistema pré-viga e pré-laje, que é usado em diversos edifícios de até 30 pavimentos, e trabalhou outras soluções em argamassa armada e outras peças especiais para atender questões específicas de edifícios residenciais, além de atuar fortemente na racionalização de sistemas como a alvenaria estrutural.

O arquiteto Antônio Carlos Lima Pedreira de Freitas, junto com seus familiares e o professor Augusto Carlos Vasconcelos, recebe a homenagem da Abcic, durante o Prêmio Obra do Ano 

Grande entusiasta,  precursor, estudioso e profissional da industrialização em concreto, associado profissional técnico convidado da ABCIC, apoiou a fundação e o desenvolvimento da associação, tendo sido homenageado durante o Prêmio Obra do Ano em pré-fabricados de concreto no ano de 2016. “Sua contribuição para a engenharia brasileira e para o pré-fabricado de concreto foi grandiosa. Por isso, naquela ocasião, decidimos prestar a ele essa homenagem. Realmente, perdemos uma grande referência para setor, mas sua disposição ativa em apoiar o desenvolvimento contínuo da industrialização ficará para sempre na memória de todos nós”, afirmou Íria Doniak, presidente executiva da Abcic.
Desde 1960, tem participado na concepção e desenvolvimento de vários elementos pré-moldados para edificações. Em 1992 constituiu a Pedreira de Freitas, inicialmente voltada para o desenvolvimento de soluções em elementos pré-moldados, empresa na qual ficou como sócio até 2003.
Filho de Antônio Carlos Lima Pedreira de Freitas, o engenheiro e também projetista de estruturas, Augusto Pedreira de Freitas, ressalta que seu pai tinha sempre soluções de pré-moldados simples para problemas complexos. “Ele se intitulava como um mestre de obras, que aprendeu tudo ao fazer as obras. Mas ele era bem mais do que isso, afinal transformar problemas complexos em soluções simples não é para qualquer pessoa”, disse. 
Chamado de Dr. Pedreira, era considerado um grande professor Pardal pelo setor. Augusto, que sempre acompanhou seu pai nas obras, relembra como sua paixão por construir era contagiante. “Ele costumava falar que “entre ficar desenvolvendo soluções para o sistema de painel portante e sair de férias com minha mãe”, certamente ele preferiria o sistema. O pré-moldado era sua amante”, contou. 
Toda essa paixão inspirou tanto Augusto como seu irmão Otávio a seguirem a mesma trajetória. “O que mais motivava meu pai era a busca por um sistema que substituísse a forma convencional de construir. Ele não se conformava com o concreto armado convencional. Por isso, sua procura por soluções que viabilizassem uma obra no sistema pré-moldado era incansável, e isso não é fácil no residencial. Conseguiu diversas e a cada conquista dizia “como alguém pode ainda construir uma obra da forma convencional se existe o pré-moldado”?”, finalizou.