Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 7 - abril de 2016

ARTIGO TÉCNICO

Desenvolvimentos na pré-fabricação do concreto. Lições do passado e avanços para o futuro

David Fernández-Ordóñez Hernández
Tudo... deve ser construído com a devida referência à durabilidade, à conveniência e à beleza. 
A durabilidade será assegurada quando as fundações estiverem lançadas em solo sólido e os materiais selecionados de maneira sábia e liberal; a conveniência, quando o arranjo dos apartamentos for impecável e não apresentar qualquer obstáculo ao uso, e quando cada classe de construção for designada à sua exposição adequada e apropriada; e a beleza quando a aparência do trabalho for agradável e de bom gosto, e quando seus membros estiverem na devida proporção, de acordo com os princípios corretos da simetria.
Vitruvius

Introdução. Construção industrializada.
A origem da pré-fabricação, ou seja, da aplicação de processos industriais na construção, pode ser encontrada no início do século 18. A Revolução Industrial, com o advento de novos materiais tais como o aço e o vidro, teve um enorme impacto na arquitetura e na pré-fabricação. Em alguns casos, o design arquitetônico passou por mudanças fundamentais, dando origem a novos estilos solidamente arraigados nos processos industriais.
O concreto armado com tela metálica foi inventado na segunda metade do século 19 por Lambot, que introduziu seu uso em pequenos barcos e por Monier, com seus vasos de flores.
Em 1891 Coignet, uma empresa localizada nas proximidades de Paris, produziu vigas de concreto pré-moldado e armado para construir um cassino em Biarritz.


Fig. 1. Fábrica de Coignet


Por volta de 1900, as primeiras lajes de concreto armado em grande escala, com apenas 5 cm de espessura, estavam sendo pré-moldadas nos Estados Unidos.  
A grande demanda social por habitações no início do século 20, principalmente em países industrializados como Inglaterra e Estados Unidos, gerou uma necessidade de projetos de construção baseados em processos industriais, tais como a pré-fabricação do concreto.
Grosvenor Atterbury desenvolveu um sistema de habitação fechada com grandes painéis leves de concreto pré-fabricado no início de 1907. 
Em 1908, Thomas Edison inventou e patenteou um sistema para prédios de dois e três andares em que o concreto era moldado continuamente em caixarias de aço e os membros resultantes eram posicionados no local com a ajuda de correias transportadoras.
Muitos sistemas pré-fabricados de construção consistindo, essencialmente de unidades de fachada não estruturais foram desenvolvidos durante os primeiros trinta anos do século 20. 
Em 1928, Eugène Freyssinet apresentou a primeira patente de concreto protendido. Essa descoberta representou um avanço profundo na construção como um todo, além de revolucionar absolutamente a construção com concreto. Até aquela época, o concreto havia sido um material inerte, cuja escassa resistência à tração induzia, inevitavelmente, a rachaduras, que eram a fonte de sua rápida deterioração. 
Graças à protensão, o concreto passou a ser um produto altamente isotrópico resistente e ativo. Esse novo material, excelente e altamente durável levou, por sua vez, ao desenvolvimento de aços de alta resistência e concreto com alta resistência à compressão, desde o início. 
Depois da invenção do concreto protendido, Freyssinet fundou uma fábrica de concreto protendido em Montargis, onde produziu postes de concreto protendido, tecnicamente satisfatórios. 


Fig. 2. Fábrica em Montargis