Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 15 - dezembro de 2018

PONTO DE VISTA

Industrialização da construção tem enorme potencial para agregar mais produtividade e eficiência com tecnologias da indústria 4.0

De que maneira a ABRAMAT, sendo uma liderança representativa de sistemas construtivos industrializados em alguns fóruns, vê o papel da industrialização da construção dentro da Indústria 4.0?
A industrialização da construção é uma tendência mundial, que com incorporação de tecnologias da indústria 4.0 tem enorme potencial para agregar mais produtividade e eficiência. Aqui no Brasil enfrenta obstáculos para se disseminar, como questões tributárias e do ambiente regulatório que ainda favorecem a construção convencional. Estamos discutindo com vários interlocutores, inclusive academia, propostas para otimizar esse cenário.
 

Quais ações a ABRAMAT vêm propondo de inserção da construção civil na Indústria 4.0?
A regulamentação e implementação da plataforma e biblioteca pública BIM (Building Information Modelling) já é um primeiro passo para adaptarmos a indústria de materiais de construção à uma realidade dita 4.0. A partir de uma base de dados unificada, com especificações técnicas de todos os produtos, e disseminação do uso do BIM tanto no setor público como no privado, conseguiremos ter avanço importante na previsibilidade de estoque a ser produzido, conseguiremos ter maior controle regulatório técnico e fiscal e também criaremos a demanda pelo investimento em capacitação no setor, que certamente fará florescer diversas ideias criativas e empreendedoras. Todo esse ambiente que pode ser proporcionado por essa tecnologia já cria uma base sólida para a atualização da indústria de materiais de construção como um todo.
 

Quais são suas recomendações para gestão empresarial no momento da chamada 4ª Revolução Industrial? O que as empresas podem fazer para estar neste contexto?
 Acreditamos que a adesão das empresas à iniciativas como o fomento à disseminação do BIM no Brasil são um primeiro passo. O investimento em capacitação dos funcionários e também em pesquisa e desenvolvimento são chave para a plena modernização do setor. Parcerias com startups que estejam ligadas à cadeia da construção civil também podem ser importantes. Estamos fazendo isso na ABRAMAT.
 

Como avalia o uso do BIM na construção? E, qual é o papel das startups para o avanço da Indústria 4.0 no setor?
 O BIM é algo defendido pela ABRAMAT faz tempo, justamente pelo fato da Associação acreditar no seu amplo poder de catalisar mudanças importantes. A partir da implementação ampla da tecnologia, conseguiremos estabelecer um ambiente regulatório no sentido da conformidade técnica e fiscal fundamentais para o estabelecimento de uma competição justa entre os agentes desse mercado, além de aumentar consideravelmente sua capacidade de desenvolvimento e produtividade. É fundamental que os gestores estejam abertos às novas tecnologias, que cada vez mais chegam com caráter disruptivo, proporcionando mudanças estruturais para aqueles que souberem absorve-las e tirar o máximo proveito desse ambiente.
 

Em termos de Indústria 4.0, existe alguma relação entre a construção civil e o setor automotivo, que está sempre na vanguarda de pesquisa e inovação?
Há muito que vem sendo feito pela construção civil nessa área, como modernização de fabricas, BIM e Construção Industrializada. Benchmarks são sempre bem vindos e nesse sentido outros setores podem com certeza contribuir com seus acertos, erros e lições aprendidas. É um processo contínuo e de troca de experiências.
 

Como o Sr. avalia a participação do Governo para contribuir com a implantação da Indústria 4.0 no país?
Fundamental, no sentido de estabelecer um ambiente regulatório apropriado e criação de incentivos para investimentos do setor.