Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 11 - agosto de 2017

DE OLHO NO SETOR

Mercado do Centro-Oeste debate o uso do pré-fabricado de concreto

Evento contou com quatro palestras, que trouxeram as diversas aplicabilidades e benefícios do sistema

Presidente-executiva da Abcic, Íria Doniak, discursa na solenidade de abertura do Workshop sobre pré-fabricado de concreto, que reuniu empresários do setor da construção do Centro-Oeste


No dia 3 de maio, a Abcic participou do 1º Workshop da Construção Pré-Fabricada de Concreto do Centro-Oeste, uma iniciativa do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (CREA-GO), do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU/GO) e do Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de Goiás (Sinprocimento).
O evento contou com 124 participantes e tinha o objetivo de divulgar o processo construtivo de estruturas pré-fabricadas de concreto e discutir suas diversas possiblidades de utilização, sugerindo aplicações do material. “É uma honra participar deste evento, que visa, especialmente, à disseminação da tecnologia da pré-fabricação”, disse Íria Doniak, presidente executiva da Abcic, na solenidade de abertura, que afirmou ainda que a industrialização terá um protagonismo ainda maior do que teve nos últimos cinco anos para que haja um incremento efetivo de produtividade no próximo ciclo de retomada da construção civil. 
Íria destacou ainda que as fachadas e a aplicação de estruturas pré-moldadas de concreto são crescentes em todo o país, apesar da crise atual, que resultou na diminuição do volume de obras. “A padronização, qualidade, normalização e segurança são palavras de ordem e prioritárias na agenda da entidade”, disse a presidente executiva da Abcic, que ressaltou a importância do programa de qualidade do setor, o “Selo de Excelência Abcic” e o atual desenvolvimento do Manual de Montagem das Estruturas Pré-moldadas de concreto. Também participaram da solenidade de abertura, Francisco Almeida, presidente do Crea-GO, Arnaldo Mascarenhas, presidente do CAU/GO, Olavo Martins Barros, presidente do Sinprocimento, Fernando César Crosara, gerente regional Centro-Oeste da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP).
A programação do 1º Workshop da Construção Pré-Fabricada de Concreto do Centro-Oeste foi composta por quatro apresentações. O engenheiro Leonardo Patrício Chaves, sócio da Casagrande Engenharia, mostrou casos de sucesso do uso de pré-fabricados de concreto na Copa do Mundo, nos Jogos Olímpicos e para a construção de escolas (Fábricas do Amanhã). “A construção em pré-fabricado de concreto é utilizada no mundo todo. A engenharia brasileira deveria pensar em usar mais e em larga escala a metodologia pré-fabricada”.
Em seguida, o arquiteto urbanista Alberto Alves Faria, presidente do CAU/DF, falou sobre o pioneirismo da Universidade de Brasília (UnB) no desenvolvimento do pré-fabricado no Brasil. “O maior edifício da UnB (Instituto Central de Ciências), com 730m de extensão, foi feito a partir desse sistema, que era inovador na época”, disse. No total, foram construídos mais de 25 edifícios com a tecnologia nos vários campi da instituição, com um investimento de quase R$ 110 milhões e aproximadamente 56 mil m2 de área. “Retomamos essa experiência de uma forma intensa, permitindo a capacitação de algumas empresas do Centro-Oeste para fornecimento das estruturas pré-fabricadas, que é uma estratégia adequada quando precisamos de rapidez, qualidade e uniformidade na construção”, ressaltou.
O engenheiro Dalton Souza e Silva, professor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), abordou as possibilidades do uso do pré-fabricado em diferentes projetos, mostrando sua versatilidade e seus benefícios, que incluem tempo de execução, resultado final, retorno na impressão que as pessoas têm do pós-obra. “A pré-fabricação é uma industrialização mais preparada, desde a concepção de projeto da arquitetura até a finalização da montagem, em ritmo totalmente distinto do processo convencional”, afirmou.
A apresentação final ficou a cargo do engenheiro Augusto Pedreira de Freitas, sócio-diretor da Pedreira Engenharia, que discorreu sobre a necessidade do mercado estudar novas soluções ao desenvolver empreendimentos novos para o futuro, com base na entrada em vigor da ABNT NBR 16475: 2017 - Painéis de parede de concreto pré-moldado - Requisitos e procedimentos. “O profissional pode construir edifícios residenciais com processos mais racionalizados, como, por exemplo, com dois sistemas pré-moldados: um de pré-viga e pré-laje e o outro sistema de painel portante”, disse.