Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 11 - agosto de 2017

ABCIC EM AÇÃO

Normalização brasileira no setor de pré-fabricado de concreto avança em nível mundial

Entrada em vigor da norma de painéis de parede de concreto pré-moldado e da revisão da norma de estruturas pré-moldadas de concreto trazem ainda mais confiabilidade para as estruturas industrializadas de concreto

Apresentação da Revisão da ABNT NBR9062 pelo coordenador dos trabalhos, o engenheiro Carlos Melo


A entrada em vigor das normas ABNT NBR 9062:2017 - Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado, que revisa a ABNT NBR 9062:2006, e ABNT NBR 16475: 2017 - Painéis de parede de concreto pré-moldado - Requisitos e procedimentos mostra a seriedade e a excelência do segmento das estruturas pré-fabricadas no Brasil e coloca o país como uma das principais referências em termos de normalização em nível mundial. Essa é a opinião de executivos de entidades setoriais, de representantes do governo, de especialistas, acadêmicos e da indústria, que participaram do Seminário ABCIC – Normalização, Eficiência e Desempenho das Estruturas e Painéis Pré-Moldados de Concreto: O impacto e a entrada em vigência das novas normas, realizado no dia 25 de abril, no Instituto de Engenharia, em São Paulo.
Inês Battagin, superintendente do Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT/CB-18) e diretora técnica do Instituto Brasileiro do Concreto (Ibracon), afirmou que a publicação dessas normas é um avanço muito grande e coloca o Brasil no mesmo patamar de outros países, além de ressaltar a excelência da engenharia brasileira. “Para que avance ainda mais, as comunidades técnicas precisam se reunir e encontrar um espaço ainda maior para debates, a fim de produzir mais conteúdo para serem incluídos em normas técnicas”. 
A arquiteta Maria Salette de Carvalho Weber, coordenadora geral do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-h), no âmbito do Ministério das Cidades, destacou no Seminário da Abcic que elas dão celeridade ao processo de emissão da DATec (Documentação de Avaliação Técnica) aplicável aos sistemas construtivo que haviam sido considerados como inovadores, uma vez que contribuem na avaliação das instituições técnicas e oferecem mais segurança ao agente financeiro de que tudo está testado e analisado. “As normas vieram para agregar ao que já está em vigor”, ressaltando ainda que com a entrada em vigência da Norma de Desempenho o Sinat possui hoje dois braços e que para o sistemas considerados consolidados ou tradicionais se aplica a FAD (Ficha de Avaliação de Desempenho). 

 


André Pagliaro e Íria Doniak recebem a arquiteta Maria Salette Weber, do Ministério das Cidades - PBQP-h


Isso significa que todos devem comprovar o atendimento à norma de Desempenho. O caminho são as Instituições Técnicas Avaliadoras (ITA). Se na avaliação do sistema proponente houver o entendimento de que o histórico e os dados de desempenho são representativos, poderá ser que uma Datec (Documento de Avaliação Técnica) de paredes pré-moldadas, contempladas pela nova norma, possa vir a se converter numa FAD (Ficha de Avaliação de Desempenho). No entanto, a FAD não é identificada pelo sistema, é geral. Se outra empresa comprovar a adoção na íntegra do mesmo sistema, ela poderá se valer daquela mesma FAD, explanou Maria Salette. 
O presidente do Conselho Estratégico da Abcic, André Pagliaro, ressaltou que elas representam uma evolução dos produtos, do cálculo e do mercado. “Precisamos disso para evoluir ainda mais”. Já o superintendente do Comitê Brasileiro da Construção Civil da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT/CB-02), Salvador de Sá Benevides, destacou o trabalho promovido pela Abcic, no âmbito das comissões de estudo, e por sua presidente-executiva Íria Doniak, que mobiliza também os associados, o mercado e as entidades parceiras. “Vemos nos olhos da Íria essa vibração por terem sido publicadas as normas de pré-fabricados de concreto”, disse. Ele também destacou a importância de realizar a disseminação desse material, por meio da entrega de um exemplar da minicoletânea com as duas normas para os participantes, associados da Abcic e formadores de opinião, que estiverem presentes no Seminário. “Nos tempos atuais não é uma ação fácil de ser realizada e neste sentido parabenizo a Abcic e seus dirigentes”.
O presidente do Ibracon, Julio Timerman, corrobora com Benevides a respeito do esforço da Abcic, que também tem trabalhado para a união das diversas entidades da cadeia do concreto para a viabilização de ações e atividades para o desenvolvimento do setor. “Se não fosse a atuação da entidade, representada pela Íria, não estaríamos no nível que alcançamos atualmente”. Ele ainda recordou que o Brasil é o único país da América Latina a ter uma norma de concreto que é, inclusive, reconhecida internacionalmente. “Todas as normas que estão ligadas à área têm a forte participação dos comitês do Ibracon, juntamente com as ações da Abcic e da Abece”.