Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 17 - julho de 2019

PONTO DE VISTA

Planejamento de rigging é vital para a segurança dentro dos canteiros com obras em pré-moldado de concreto

A Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração (Sobratema) atua há mais de 30 anos para o desenvolvimento tecnológico, técnico e mercadológico do segmento de equipamentos utilizados na infraestrutura, na construção e na mineração. Entre as diversas atividades desenvolvidas pela entidade, um dos destaques é o trabalho realizado para capacitação e qualificação de profissionais nesse setor, por meio do Instituto OPUS de Capacitação Profissional, que recebeu, em 2018, a certificação da Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção (Abendi) como Provedor de treinamento para qualificação em movimentação de carga.
A instituição é presidida pelo engenheiro Afonso Mamede, que conversou com a Industrializar em Concreto sobre as questões relacionadas à etapa de montagem das estruturas pré-fabricadas de concreto, ressaltando a importância do planejamento de rigging para a garantia de segurança, produtividade e eficiência nesse processo. A Sobratema tem uma forte parceria com a Abcic, apoiando as principais ações desenvolvidas pela associação, como o Prêmio Obra do Ano em Pré-Fabricados de Concreto, no qual Mamede participa da Comissão Julgadora do Prêmio. 
Confira os principais pontos abordados por ele:
Poderia analisar o cenário da construção e de obras de infraestrutura para este ano?
A área de infraestrutura foi atingida fortemente pela crise econômica e pelo menor investimento do poder público e os resultados dessa desaceleração ainda podem ser vistos no país. No entanto, os esforços do Ministério da Infraestrutura e dos governos estaduais para retomar ou iniciar obras contribuem para melhorar a confiança dos empresários e das empresas que atuam no setor da construção, além de inserir as companhias no cenário da atividade econômica.
É certo que a perspectiva para este ano na área de infraestrutura não será de um crescimento robusto, mas existem diversos indícios de que 2019 será um ano de preparação para uma retomada mais contundente em 2020. Como exemplos, o primeiro leilão do Governo Federal, que concedeu 12 aeroportos regionais, situados no Norte, Centro-Oeste e Sudeste, à iniciativa privada e arrecadou R$ 2,377 bilhões em outorga e a publicação do edital do leilão da BR 364/365, entre Jataí (GO) e Uberlândia (MG), em junho, cujo leilão está previsto para o dia 18 de setembro.  
Além disso, segundo o Boletim de Mercado da Sobratema, a demanda por serviços voltados à infraestrutura deve obter um crescimento neste ano, com a alta do consumo de energia elétrica de 5,5%, dos serviços de transporte para 1,2%, e dos serviços de telecomunicações de 1,4%.
Nesse sentindo, como está a avaliação do mercado de equipamentos para construção em 2019? E, qual sua avaliação sobre o mercado de equipamentos de içamento de cargas e pessoas?
R: O Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção prevê para este ano uma estabilidade com viés de alta na venda de máquinas para o setor. Para a linha amarela (movimentação de terra), a expectativa é de uma estabilidade, entre -3% e +3%. Isso porque ainda existe cerca de 50% da frota produtiva ociosa e, caso as obras de infraestrutura ganhem um ritmo mais acelerado, esses equipamentos parados serão os primeiros a serem colocados em operação. Já a comercialização de guindastes e gruas, que em 2018 teve uma forte retração, a perspectiva é que as vendas possam crescer  mais de 50%.
Como avalia o uso do pré-moldado de concreto em obras no Brasil?
O pré-moldado de concreto tem um papel fundamental na construção brasileira. Ele foi o responsável pela viabilização de diversos tipos de obras em todo o país, desde os estádios para a Copa do Mundo e os centros poliesportivos dos Jogos Olímpicos, passando pelas obras comerciais de shopping centers e de centros logísticos, chegando ao segmento imobiliário e a área de infraestrutura viária, rodoviária, aeroportuária e energia eólica. Além de garantir velocidade na execução das obras, a industrialização possibilita um projeto mais sustentável, com menor uso de recursos naturais, menos geração de resíduos e um canteiro mais limpo e organizado. Outra característica importante é a sua fabricação que pode ocorrer em fábricas, com transporte posterior, ou mesmo no local da obra, em instalações próprias, mas que seguem as mesmas regras das estruturas produzidas em parques fabris. Isso garante qualidade, rastreabilidade e confiabilidade em todo o sistema. 
Poderia definir a importância do planejamento de rigging para as obras em pré-moldado de concreto? 
A NR-12 regulamenta que o Plano de Rigging consiste no planejamento de uma movimentação de carga, visando a otimização dos recursos aplicados na operação (equipamentos, acessórios e outros) e, principalmente na segurança, evitando-se acidentes e perdas de tempo. É um estudo que envolve a carga a ser içada, as máquinas (guindastes), os acessórios, as condições do solo, as ações do vento e define melhores soluções para se fazer um içamento seguro e eficiente.
Esse planejamento é de extrema importância dentro dos canteiros com obras em pré-moldado de concreto, uma vez que considera a especificação e forma de uso dos acessórios de amarração da carga e todos os parâmetros de configuração que um guindaste deve possuir em face de uma operação de içamento das estruturas. Esse planejamento é indispensável diante do risco de acidentes que uma operação como essa apresenta. Por esse motivo, os fatores de risco que mais ocasionam acidentes - sobrecarga na máquina, o patolamento inadequado, o contato com rede elétrica energizada, a ação do vento na operação, e ruptura de acessórios de amarração da carga – são itens básicos imprescindíveis no plano. 
Quais são os principais critérios que devem ser considerados na hora de dimensionar/contratar os equipamentos de içamento que serão usados na montagem das estruturas pré-fabricadas de concreto?
Diria que o critério é segurança versus custo. Devemos buscar um guindaste que ofereça uma capacidade compatível com a segurança e que melhor atenda a norma e/ou a empresa, responsável pela obra. Para definição do melhor critério, primeiramente, precisa-se entender o que se vai içar, considerando: