Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 16 - abril de 2019

PONTO DE VISTA

Qualidade na execução de soluções pré-fabricadas e protendidas em obras de infraestrutura rodoviária impulsiona o desenvolvimento deste segmento

Quais são os principais obstáculos para o desenvolvimento ainda maior do mercado de pré-fabricados de concreto? Em sua opinião, como esses desafios podem ser ultrapassados?
Os obstáculos são os decorrentes da concorrência com outros sistemas, por isso a única resposta que posso dar é que devemos superá-los através da melhoria contínua que nos levará sempre a soluções mais inteligentes e viáveis. Não podemos parar de investir em qualidade, pesquisa e desenvolvimento que geram segurança e inovação.
 

Como você analisa a evolução do concreto para que a estruturas pré-fabricadas de concreto possam responder aos desafios da infraestrutura rodoviária?
A tecnologia do concreto é fundamental. A evolução e desenvolvimento de novos aditivos que gerem o aperfeiçoamento no processo de concretagem, densificação do concreto e aumento da sua resistência são vitais. Pesquisadores, proprietários e empreiteiros também estão explorando o uso de fibras que modificam o comportamento estrutural do concreto. A combinação desses tipos de materiais inovadores com materiais tradicionais, e com algumas tecnologias de armação, certamente aumentará a vida útil das estruturas recentemente construídas. Hoje há uma necessidade urgente de melhorar nossa produtividade. Quando comparamos as horas/homem por unidade de solução ou serviço oferecido, mercados como agricultura, indústria e logística superaram em muito a construção. A construção civil precisa acelerar o seu processo de desenvolvimento.
 

Quais as vantagens de ter uma certificação do sistema pré-fabricado de concreto?
Um programa confiável de certificação não é a única maneira de se realizar com sucesso a importante função de assegurar a qualidade na fabricação de componentes. Ele deve fazer parte de um sistema de qualidade abrangente e contínuo, que seja específico aos componentes de engenharia que são dirigidos e diretamente relacionados com a totalidade do conhecimento. Empresas comerciais e outras organizações podem oferecer serviços de auditoria, inclusive a preparação de listas de verificação derivadas de exigências e padrões publicados. No entanto, somente um instituto técnico ou uma organização ligada ao setor pode oferecer todos esses componentes requisitos essenciais de um sistema de qualidade abrangente, intimamente conectado com a evolução contínua do conhecimento para a indústria à qual ele serve.

William Nickas integrou a mesa de debates juntamente com outros especialistas nacionais e internacionais em evento promovido pela Abcic

Os Estados Unidos possuem um programa de certificação no segmento. Qual é o impacto dessa ação para a qualidade das estruturas oferecidas pelos fabricantes?
É simples. A boa qualidade traz mais negócios. A má qualidade causa mal a eles. A ausência de qualidade impacta negativamente sobre a imagem do sistema e do setor além de individualmente tirar a competividade de uma empresa. Não por uma questão de obter o certificado, mas de análise de dados e controles que levam a eficiência de trabalho.  Investir em qualidade é uma dupla responsabilidade.  
A certificação do PCI é mais do que simples inspeções e documentação. Ela é baseada em décadas de experiência na formação de um sistema abrangente de qualidade. Por mais de 50 anos, o PCI vem determinando padrões e está desenvolvendo o conhecimento para o projeto e a construção de estruturas de concreto pré-fabricadas. Além das empresas serem avaliadas, o nosso programa é auditado e credenciado todos os anos de acordo com os padrões ISO.  
Esse feito é estabelecido na fundação de milhões de dólares de pesquisas, dezenas de guias e manuais técnicos, uma rede de mais de 80 comitês, pessoal profissional e experiente e o suporte de mais de 2.000 membros. Os Produtores Certificados pelo PCI passam a fazer parte do sistema de qualidade do PCI. Eles não apenas têm um vínculo direto com o corpo de conhecimento – na verdade eles passam a fazer parte dele. Cada Produtor Certificado pelo PCI assume um compromisso com a qualidade e faz um investimento proporcional a esse compromisso, um investimento que é tanto interno quando externo. 
O investimento interno envolve práticas de qualidade de última geração nos equipamentos e ferramentas  da fábrica, e pessoal qualificado e certificado. Os investimentos externos estão na taxa para a certificação, no suporte financeiro para o Instituto através de taxas dos associados, em muitos casos, quantias substanciais de tempo de voluntários que servem os comitês do PCI. Muitos perguntaram sobre o custo da certificação. No que se refere ao investimento externo (para o PCI) as fábricas pequenas com menos de US$ 1 milhão em vendas anuais pagam apenas US$ 6.500 por ano de taxa de certificação. Fábricas maiores, além disso, pagam uma média de 1,50 por US$ 1.000 de vendas em taxas para suportar o Instituto. Como podemos ver, esse é um investimento relativamente pequeno para fazer parte do instituto técnico que é líder mundial em concreto pré-moldado. 
No entanto, o investimento interno para atender às exigências estritas do PCI pode ser mais de cinco vezes o investimento externo. Nesse aspecto, as taxas pagas ao PCI têm uma grande diferença entre os Produtores Certificados pelo PCI e outras fábricas.