Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 7 - abril de 2016

ESPAÇO EMPRESARIAL

Reagir e resistir à crise

A crise que o Brasil vive já foi detidamente analisada e diagnosticada em suas causas e efeitos pelos especialistas em macroeconomia e em finanças públicas. É desnecessário, aqui, repetir essa análise. Registro, porém, que, como cidadão e empresário, esperava que medidas voltadas para uma adequada e competente administração fiscal das contas públicas já tivessem sido adotadas, com vistas a reverter a condição instável do cenário econômico. Boa parte do meio empresarial tinha uma expectativa de que uma conduta mais firme em relação às reformas estruturantes que o País necessita fosse iniciada, mas tal expectativa não se confirmou.
O resultado prático dessa situação tem sido uma diminuição sensível no grau de confiança do setor privado para a realização de novos investimentos. Nesse contexto, o desempenho da indústria como um todo, oferece indícios setoriais que permitem projetar e analisar efeitos conjunturais. No caso da indústria de pré-fabricado de concreto, ela experimentou um período de sólido crescimento nos últimos anos, impulsionada pela estabilidade econômica conquistada pelo país, que também incentivou investimentos. 
Nosso segmento aproveitou o bom momento e executou diversos projetos em vários setores, incluindo arenas esportivas, ginásios e escolas, terminais rodoferroviários, obras voltadas para o agronegócio, além de pontes, viadutos e outras obras. Graças a tal conjuntura favorável, a indústria de pré-fabricado evoluiu para atender ao crescente emprego desse elemento nos projetos construtivos. Investiu em equipamentos, aumentou a taxa de automação, qualificou os recursos humanos, refinou o emprego de matérias-primas por meio de inovação tecnológica, melhorou o sistema de gestão administrativa das suas empresas e colocou sua produção dentro de padrões internacionais de qualidade com o apoio, entre outras ferramentas, do Selo de Excelência Abcic.
Paralelamente, as ações internacionais da Abcic, notadamente as missões internacionais organizadas ou apoiadas pela entidade na, Inglaterra, Bélgica, Itália, China, Dubai, entre outros destinos, permitiram acessar novas ideias, especialmente introduzindo melhorias de processo e ampliando a competitividade do segmento. Tais ações, oriundas do associativismo, têm contribuído para que o segmento se estruture cada vez mais para vencer os desafios apresentados pela atual conjuntura. 
Nossa empresa, como tantas outras, adotou um programa de resistência e de reação. No plano interno, partimos para automação industrial que contribuiu para uma operação segura e com menos mão de obra. Além disso, todos os processos operacionais, administrativos e de controle foram reavaliados e aperfeiçoados. Ajustamos o nível de produção atual com o ingresso de matéria-prima de forma a não ter valores em estoques imobilizados. É o velho e bom “just in time”... 
O radar comercial foi apontado para todas as possibilidades do mercado, diversificando os segmentos de atuação e portes distintos de obras, mantendo nosso limite histórico de não assumir mais de 5% de nosso faturamento em projetos voltados para o setor público. O esforço de nossa equipe comercial foi redobrado e, nesse aspecto, ajuda bastante os nossos quase 40 anos de atividade e experiência nesse mercado exigente associado às possibilidades de inovação.
É necessário reconhecer, no entanto, que as inadequadas condições de infraestrutura minam a eficiência e competitividade obtida dentro da indústria em face da inexistência e/ou das más condições das rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, comunicações e geração de energia. Apesar de toda essa conjuntura adversa, o nosso propósito, que é também o de todo o segmento de pré-fabricado de concreto, é enfrentar esses novos tempos com estratégia gerencial e visão empresarial aguçada, no entanto com consciência das dificuldades que nos aguardam no futuro, rapidez nas ações e fé no trabalho.