Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 21 - dezembro de 2020

GIRO RÁPIDO

Vencedores do Prêmio Produtividade 2020

As entidades do  #Domesmolado realizaram no dia 11 de novembro cerimônia de entrega do Prêmio Produtividade, cujo objetivo é reconhecer os esforços e ampliar a visibilidade de empresas que se destacam no aproveitamento de seu potencial, aumentando a produção e a competitividade. A Abcic foi patrocinadora da premiação. 
Os vencedores por categoria foram: Empreendimento Parque da Cidade, na categoria Projeto; Key Moema, na categoria Material, Componente ou Sistema construtivo; Obra Apogge, na categoria Equipamento; e Hospital da Ilha, na categoria Planejamento, Modelo de Gestão e Controle de Obra e Projeto.
A engenheira Íria Doniak, presidente executiva da Abcic, foi convidada para entregar uma das premiações. “Estarmos todos do mesmo lado é de fundamental importância não apenas para disseminar a cultura  da  produtividade, mas também para ampliar a competitividade da construção civil. O evento foi altamente enriquecedor com as palestras e debate, seguidos dos cases premiados, que demonstraram na prática a importância da produtividade no setor. Parabéns a todos!”, disse. 
Na abertura, Luiz França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), realizadora do evento, ressaltou que o movimento #domesmolado tem o propósito de unir toda a cadeia produtiva, fortalecendo o setor, que representa 8% do PIB brasileiro. “Precisamos trabalhar com mais eficiência e produtividade porque será necessário construir 1,4 milhão de moradias por ano para atender o déficit de 11,4 milhões de moradias esperadas para daqui 10 anos. Isso significa três vezes mais do que estamos construindo hoje”, afirmou. 
Além da produtividade, França comentou sobre a ineficiência tributária como um entrave para o desenvolvimento da área imobiliária e para o ganho de eficiência. “Precisamos trabalhar essa questão. Mas, só unidos é que conseguiremos vencer essa batalha”. 
Transmitido virtualmente, o evento contou ainda com o depoimento de Gustavo Ene, secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação do Ministério da Economia, que falou sobre as ações da pasta para o aumento da produtividade, e com as participações de Thiago Vasconcellos, Associate Partner da Mckinsey & Company, Benjamin Citron, Diretor Corporate Development da Tenda, Valter Frigieri Jr, Head de Planejamento e Mercado da ABCP e coordenador do grupo Produtividade, professor Ubiraci Spinelli, da Escola Politécnica da USP e Luiz Henrique Ceotto, Diretor de Construção da Urbic.
Vasconcellos apresentou uma pesquisa da consultoria sobre competitividade no setor da construção em nível global, que apontou que o segmento está atrás de outras áreas como a indústria. Entre as razões citadas por ele estão a informalidade, o baixo nível de planejamento, a capacitação de mão de obra mais baixa e subinvestimento em inovação e digitalização ante outros setores. 
Mas ele afirmou que já existem líderes de mercado começando a utilizar a inovação e digitalização, evoluindo rapidamente. “Esse cenário aponta uma oportunidade de um lado e alerta para outros que ainda estão estagnados”, avaliou. No caso do Brasil, isso também é uma realidade, com um movimento de transformação sendo iniciada e com potencial para aumento da produtividade.
Nesse sentido, a industrialização pode contribuir muito nessa pauta. Contudo, para Ceotto, a questão tributária onerou esse setor. “Enquanto a construção convencional paga somente ISS, a industrializada paga ICMS e IPI. Infelizmente, não tivemos diálogo com setor financeiro. Se quisermos produtividade, precisamos da velocidade do sistema industrializado. Por isso, a discussão da reforma tributária pode representar uma revolução e uma oportunidade de rever o tema. Temos o potencial de dar um salto em produtividade igual ou maior do que o agronegócio”.