Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 23 - setembro de 2021

ARTIGO TÉCNICO

Análise de Sensibilidade de Parâmetros na Estabilidade Global de Estruturas de Concreto Pré-moldadas segundo ABNT NBR9062:2017

2.1 Hipóteses simplificadoras e considerações de projeto
São adotadas hipóteses simplificadoras e parâmetro de projeto, de modo a reduzir o número de variáveis na análise e tornar a análise fidedigna em relação aos projetos comumente desenvolvidos no mercado.
Para isso, se considera a seção composta e homogeneizada dos elementos pré-moldados, dispensando as verificações relativas às fases de fabricação, transporte e montagem. São desprezados os efeitos de desaprumo de montagem e excentricidade de cargas (oriundos do apoio das vigas em consolos). Os pilares adotados são retangulares, de seção (40x60) cm, sempre com a maior inércia perpendicular à direção das vigas que apoiam as lajes alveolares. Presume-se engastamento perfeito na base dos pilares.
Considera-se o efeito diafragma (compatibilizando os deslocamentos dos nós de cada pavimento, mas sem acrescentar rigidez ao conjunto) das lajes alveolares solidarizadas por capa estrutural, desconsiderando demais enrijecimentos (e.g. escadas, elevadores, alvenarias), para que a análise da estabilidade global reflita, predominantemente, a contribuição das ligações.

Recomendações Normativas - ABNT NBR 9062:2017
A ABNT NBR 9062[1], em sua última revisão, passou a incluir a definição de rigidez secante (Rsec) à flexão de ligações entre viga e pilar, restringindo sua aplicação ao momento limite de escoamento (My,lim), respectivamente conforme Equação (Equação1) e Equação (Equação2). Ambos os parâmetros são intrínsecos ao que preconiza a norma (a capacidade das estruturas deve ser governada pelo esgotamento dos elementos e não da ligação). As tipologias adotadas no presente trabalho, expostas na Figura 1, são as tipologias 1 e 3 definidas na norma de referência.

onde k é o coeficiente de ajustamento da rigidez secante, Led é o comprimento efetivo de deformação por alongamento da armadura de continuidade, d é a altura útil da seção resistente, Es é o módulo de elasticidade do aço, As é a área de armadura de continuidade, fyk é o valor característico da resistência de escoamento do aço e MSd,rig é o Momento solicitante elástico de projeto.
A ABNT NBR 9062:2017[1] define o fator de restrição à rotação αϒ , que pode ser descrito como a função entre a rigidez da ligação e a rigidez do elemento conectado, sendo calculado a partir da Equação (Equação3).  O fator αϒ  representa o grau de engastamento da ligação, portanto é possível aplicá-lo a fim de estimar os momentos fletores nas ligações semirrígidas, conforme demonstrado em COSTA et al[3], REZENDE et al[2] e REZENDE[4].

em que (EI)sec é a rigidez secante da viga pré-moldada (cujo valor pode ser encontrado no Anexo A da ABNT NBR 9062[1], que dispõe sobre não linearidade física para a análise de 2ª ordem) e Lef é o comprimento efetivo entre centros de giro nos apoios da viga.
O procedimento simplificado para análise não linear dos efeitos de 2ª ordem geométricos, análogo ao disposto na ABNT NBR 6118:2014[5], se dá através do coeficiente γΖ. O valor do coeficiente γΖ (para cada combinação de carregamento) é dado pela Equação (Equação4).

onde ΔMtot,d é a soma dos produtos de todas as forças verticais atuantes na estrutura, na combinação considerada, pelos deslocamentos horizontais de seus respectivos pontos de aplicação, obtidos da análise de 1ª ordem e M1,tot,d é momento de tombamento referente ao pilar equivalente da estrutura analisada.