Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Industrializar em Concreto 18 - dezembro de 2019

INDUSTRIALIZAÇÃO EM PAUTA

Aplicação de painéis pré-fabricados se diversifica e cresce no Brasil

Ao aliar tecnologia, qualidade, elevada produtividade, cuidado com o meio ambiente e distintas possibilidades estruturais e arquitetônicas, sistema construtivo pode ser visto em edifícios de múltiplos pavimentos, em empreendimentos...

 

Ao aliar tecnologia, qualidade, elevada produtividade, cuidado com o meio ambiente  e distintas  possibilidades estruturais e arquitetônicas, sistema construtivo pode ser visto em edifícios de múltiplos pavimentos, em empreendimentos industriais e em projetos comerciais em todo o país
 

A entrada em vigor da ABNT NBR 16475:2017 - Painéis de parede de concreto pré-moldado - Requisitos e procedimentos, em 2017, demonstrou o avanço do sistema construtivo de painéis no país e contribuiu para que sua aplicação se diversificasse e fosse ampliada, permitindo que arquitetos e engenheiros projetistas desenvolvessem projetos inovadores com o uso de painéis, tendo a atuação direta da indústria de pré-fabricado de concreto. 
São inúmeros exemplos de projetos com esse sistema construtivo no país, principalmente em edifícios de múltiplos pavimentos. A Stamp Pré Fabricados Arquitetônicos atuou no fornecimento de painéis pré-fabricados arquitetônicos para o edifício Paulistânia. Foram utilizados 100 m³ de concreto pigmentado com agregados especiais, totalizando 165 painéis de vedação (1050 m²) para fechamento vertical da edificação e horizontal do forro. 
Segundo a empresa, no térreo foram aplicados painel de concreto funcionando como forro para dar continuidade ao acabamento utilizado na fachada. Nos 1º e 2º pavimentos, foram usados painel arquitetônico com seixo rolado e acabamento polido com aplicação de resina na cor preta. E, entre o 13º e 16º pavimento foram utilizados painel arquitetônico executado com formas de borracha para simular a textura de tijolo rústico e aplicação de resina na cor preta. 


Fernando Palagi Gaion, diretor geral Stamp, explica que o polimento de concreto é um processo mais delicado do que o polimento de granito, devido à baixa dureza e à porosidade natural do concreto. “Para conseguir uma superfície com brilho adequado e uma homogeneidade do polimento, desenvolvemos um traço de concreto com uma alta densidade e um baixo teor de ar. Isso foi possível graças a utilização de aditivos poliméricos de alta tecnologia e de fillers para otimização da curva granulométrica”, disse.
Para a fachada dos painéis de tijolos rústicos, a Stamp optou por não trabalhar com tijolos fixados ao pré-fabricados, pois os tijolos rústicos são produzidos com concreto seco, vibro-prensado, apresentando uma resistência muito baixa e um alto risco de manchamento, devido a sua alta porosidade. “Escolhemos então reproduzir a textura desejada em um molde de poliuretano o que permitiu a fabricação de todos os painéis com 100% de concreto armado de 35 MPa e consequentemente, uma qualidade final muito superior”, comenta Gaion. 
O desafio para a Stamp foi que ambos os acabamentos tivessem uma coloração preta em um grau impossível de ser reproduzido no concreto, mesmo com a utilização de pigmentos inorgânicos. “Para obter o tom desejado, escolhemos produzir os painéis na cor cinza e aplicar um impermeabilizante pigmentado, especifico para o concreto aparente, o que acabou agregando vantagens adicionais no nosso produto final, aumentando a vida útil da fachada e protegendo o concreto do intemperismo e da poluição”, explica Gaion.


Os painéis foram detalhados em projeto para obter algumas vantagens técnicas com relação a alvenaria, como por exemplo, a fixação por sistemas que permitem uma movimentação em conjunto com a estrutura, eliminando fissuras que certamente apareceriam nas alvenarias; vãos garantidos para a colocação dos caixilhos sem a necessidade de fazer medição no local e assim possibilitar a sua fabricação antes do término da montagem dos painéis; e índice de redução sonora Rw=43 Db, colaborando com uma melhor condição acústica do sistema final.
O maior desafio dessa obra, segundo Gaion, esteve na produção, uma vez que foi necessário desenvolver os diferentes acabamentos conforme o projeto arquitetônico. “Não tínhamos referências físicas de cor ou textura, o que nos levou a interpretar o projeto e realizar dezenas de amostras, cujos detalhes foram sendo ajustados até finalmente encontrarmos os traços e acabamentos correspondente às expectativas”, explica.
Em termos de montagem, o desafio foi substituir os forros do embasamento por painéis de concreto, dando continuidade na modulação da fachada. “Esses painéis foram instalados na posição semelhante a uma laje, sendo sua fixação feita por tirantes”, complementa Gaion. A execução do empreendimento foi feita em três etapas, sendo a primeira a montagem dos forros e painéis do embasamento, seguida pela montagem dos painéis da cobertura e por último a instalação dos caixilhos entre os painéis do embasamento e cobertura. “A dificuldade foi manter os alinhamentos das juntas, já que a montagem foi feita em várias etapas, sem manter uma sequência”, relembra. 
Outra obra de edificação com múltiplos pavimentos é o Edifício Ayrton Senna, na cidade de Londrina, no Paraná. Com 47,5 metros de altura, catorze pavimentos mais um reservatório, o projeto ocupa uma área de 5.870 m². Para sua construção, foram utilizados dois tipos de painéis: de fachada e estruturais para apoio de lajes alveolares.